.


8.2.15

Guia de Campo de Ourique


Come-se bem em Campo de Ourique. Julgo que conheço o essencial da oferta do bairro, mas aceito outras sugestões. 

Mercado de Campo de Ourique

Comecemos pelo Mercado de Campo de Ourique, onde, desde 2014, se juntam propostas gastronómicas e enológicas diversas, numa lógica muito contemporânea, meses mais tarde reproduzida, embora com maior ambição, no Mercado da Ribeira.
   
Como sou um comodista militante, não me agradam as filas nos diversos balcões, a que se segue o carrear das vitualhas para as mesas coletivas. Por isso, o Mercado, que reconheço que tem graça e uma bela animação, não faz parte dos meus destinos habituais, a menos que me apeteça apenas petiscar e beber um copo informal. O excessivo ruído deste ambiente bem solto, que já se tornou "trendy" ao final da tarde, também não vai bem comigo. Mas aconselho a que experimentem.


O Bem Disposto


Saindo da zona do Mercado pela rua Tenente Ferreira Durão, encontramos no nº 52 o "Bem Disposto", (tlf. 213 953 203). Esteve fechado por uns tempos e foi agora amplamente renovado. Tem uma gerência diferente e uma oferta culinária curiosa. Ao que a minha memória gustativa me diz, está bem melhor do que na anterior encarnação. Foi uma bela experiência, que repetirei em breve.


Stop do Bairro


Ainda na mesma rua, no nº 55, situa-se o "Stop do Bairro" (tlf. 213 888 856), que é talvez o restaurante lisboeta que mais me divide de vários amigos: a maioria deles adoram e eu, confesso, acho gastronomicamente banal, incómodo, como um espaço minúsculo. Saio de lá sempre pouco satisfeito. Feitios...

Verde Gaio

Para Norte, numa rua paralela, a Francisco Metrass, em frente ao Mercado, fica no nº 18 o "Verde Gaio" (tlf. 213 969 579). Sempre lá comi bem. Os grelhados são muito bons.

Parreira do Minho

Ainda na rua Francisco Metrass, no nº 47, fica a "Parreira do Minho" (tlf. 213 969 028), um espaço bem mais modesto, o que se reflete também nos preços do menu, cuja variedade não é muita mas onde se encontram alguns pratos interessantes. Quando posso, passo por lá para uma divertida tertúlia semanal.


Europa


Escassos metros adiante, no nº 57 da Francisco Metrass, está o "Europa" (tlf. 213 968 902). Foi renovado desde há meses e está hoje muito melhor, com uma oferta bem mais simpática e cuidada do que no passado, apoiada num serviço muito atento.


O Comilão

E continuemos noutra rua paralela, ainda mais a Norte, a rua Tomás da Anunciação. Se iniciarmos o percurso a partir da rua Saraiva de Carvalho, encontrar-se-á, logo no nº 5A, "O Comilão". É um restaurante tradicional de bairro, sem "peneiras", com serviço atento e uma oferta gastronómica simples. Olhem-se as fotografias em uma das paredes para perceber por que está sempre cheio de políticos de um certo partido. Desde há muitos anos que passo por lá, mas sou uma "avis rara" face à orientação dominante na clientela política...

 Pimenta Rosa


Um pouco adiante, aberto creio que em 2013, está, no nº 9B, o "Pimenta Rosa" (tlf. 213 904 621), com outras pretensões e, naturalmente, com preços diferentes. O ambiente é muito agradável e a cozinha imaginativa, embora sem deslumbrar.


O Magano


Continuando pela Tomás d'Anunciação na direção ao Jardim da Parada, do outro lado da rua, no nº 52, está aquele que considero um dos melhores restaurantes do bairro, o alentejano "O Magano". Não é barato, mas tem uma constância na qualidade que até me faz aturar alguma espera que, por vezes, é necessária para obter mesa, mesmo reservando. Por isso, evite as noites de fim de semana.

O Tachinho

Passemos a outra paralela para Norte, a rua 4 de Infantaria, que também bordeja o Jardim da Parada. No nº 6 E, fica "O Tachinho" (213 962 684). Nos anos 90, parei por lá com frequência. Regresssou numa nova encarnação. Sempre por ali se comeu bem e, pelas duas experiências que tive, a nova gerência parece estar a tentar colocar-se à altura das belas experiências do passado. Tem agora uma esplanada, feiosa mas agradável para um almoço leve no tempo bom.

Moules & Beer

Caminhando para o outro lado do Jardim da Parada, no nº 29D da 4 de Infantaria, fica o interessante "Moules & Beer" (tlf. 213 860 046), um local relativamente novo, com gente nova, onde o prato principal e de referência, como o nome da casa indica, são os mexilhões. Uma casa diferente e interessante, neste bairro clássico. O serviço é um tanto errático e a escolha de vinhos limitada, mas as cervejas são "the name of the game".

Cataplana & Companhia


Prossigamos para Norte, até outra rua paralela, um dos eixos principais de Campo de Ourique, a rua Ferreira Borges. Logo no seu início, no nº 193, desta vez para quem parte d a zona das Amoreiras, encontramos o tradicional "Cataplana & Companhia" (tlf. 213 865 269), que já se chamou "Tico-Tico". É um restaurante de famílias do bairro, com uma vasta oferta e um preço razoável. O ambiente é de velho restaurante lisboeta, com serviço simpático, informal.

Café Canas

Saltando agora para o outro extremo da rua, no cruzamento mais importante do bairro, onde a rua Ferreira Borges se encontra com a rua Saraiva de Carvalho, encontramos no nº 145, o "Café Canas" (tlf. 213 920 590), que por ali conheço desde os anos 60. Já foi um restaurante com algum nome em Lisboa. É hoje apenas um café e cervejaria, sem surpresas, sem requintes, onde, sem grandes expetativas, se pode fazer uma refeição razoável, por um preço simpático.

Tasca da Esquina

Por detrás do "Canas", na esquina da rua do Patrocínio (que saudades da "Tasquinha da Adelaide" que por essa rua houve!) no início da descida para a Estrela, no nº 41 da rua Domingos Sequeira, fica a já famosa "Tasca da Esquina" (tlf. 919 837 255) . Ocupa um lugar onde houve um Correio e é hoje um espaço ainda bastante na moda, onde o chefe Vitor Sobral (que nunca por lá encontrei, confesso!) nos propõe alguns pratos interessantes, num ambiente agradável e descontraído, com serviço muito simpático. Reserve sempre.

Trempe

Mudemos a geometria de abordagem. Passemos às ruas perpendiculares. E comecemos pela rua Coelho da Rocha (por lá houve dois bons clássicos, desaparecidos na sua versão original, o "Coelho da Rocha" e a "Charcuteria"). De Norte para Sul, encontramos, logo à saída da rua Silva Carvalho, no nº 11 da Coelho da Rocha, o "Trempe" (213 909 118). Sem ser de grande ambição gastronómica, sempre por lá tive boas experiências, num estilo de comida portuguesa tradicional. 

Flagrante Delitro


Do outro lado da rua, na Casa Fernando Pessoa, no nº 18, fica o restaurante "Flagrante Delitro" (tlf. 213950704), com uma lista curta mas com graça, para uma refeição simples, num espaço interessante que, no Verão, se abre para um agradável pátio exterior.

 Solar dos Duques


A outra rua paralela imediata é a Almeida e Sousa. Quase a chegar ao extremo sul da rua, no nº 58, fica o "Solar dos Duques" (tlf. 213 872 674), em bom restaurante de cozinha tradicional portuguesa, que sempre recomendo. Espaço simples, às vezes um pouco barulhento mas com ambiente agradável e serviço atento. Não se esqueça de reservar.

Cervejaria da Esquina


Na paralela seguinte, a rua Infantaria 16, nada tenho a recomendar. O que não é o caso da rua imediata, a Correia Teles, onde, no nº 56, fica a "Cervejaria da Esquina" (tlf 213 874 644), do mesmo proprietário e chefe da já referida "Tasca da Esquina". Um pouco mais cara do que esta, mas também mais sofisticada nas propostas, a Cervejaria da Esquina é um dos locais interessantes do bairro, embora o serviço "cool" não me entusiasme muito e, claro, o preço me faça ser cliente mais raro. Mas reconheço a sua qualidade, no género. Reserve sempre, em especial aos fins de semana.

E pronto, aqui ficam quase duas dezenas de sugestões desse belo bairro de Campo de Ourique. Atenta a dificuldade de estacionar na zona, recomenda-se o parque subterrâneo junto à Igreja de Santo Condestável e ao Mercado.

6 comentários:

  1. gostei de ler mas confesso a minha total ignorância sobre os restaurantes de campo de ourique, onde há uns bons 8 anos não vou comer, a ultima vez a jantar num restaurante alentejano de que não guardo recordações, nem boas, nem más.
    há umas décadas era o bairro dos restaurantes goeses, o gigante, o velha goa, ia-se lá para comer caril, não sei se ainda existem ou outros dessa cozinha goesa.

    ResponderEliminar
  2. magano, era esse o alentejano, aqui citado

    ResponderEliminar
  3. magano, era esse o alentejano, aqui citado

    ResponderEliminar
  4. Tambem fui muitas vezea a Co para comer caril,prato s praticamente nao existente nos acores a data. Durante o servico militar (1963) estive alguns dias na RuA ALMEIDA E SOUSA, oferta de estadia dunmas SIMPATCAS TIAS DE UMA CUNHADA.O snr Embaixador ja me fez chorar, numa sua evocacao aos restaurantes de traz os montes, depois da leitura lembrei-me das dezenas de transmontanos com quem conviv na guine durante dois anos.Uma coisa aparentemente nao tem haver com outra E a vida

    ResponderEliminar
  5. É sempre com um grande prazer que vejo as suas propostas de restaurantes.

    Tenho grandes saudades do Coelho da Rocha e gosto bastante do Magano e do Verde Gaio.

    Vou experimentar algumas sugestões que não conheço.

    ResponderEliminar